‘Turismo rural desponta como um dos setores mais relevantes no contexto pós-pandemia’, destaca associada da Unitec

Scheila Graziela Rigotti, que atua na área do turismo, explica que a inovação e a criatividade devem fazer parte do planejamento que para quem quer tornar a propriedade rural ativa para o turismo

‘Turismo rural desponta como um dos setores mais relevantes no contexto pós-pandemia’, destaca associada da Unitec

Surgido no Brasil na década de 1980 como uma atividade alternativa de promover o desenvolvimento rural por meio da revitalização econômica e social dos territórios rurais, da valorização dos patrimônios e produtos locais, o turismo rural tem importante papel na conservação do meio ambiente.

A associada da Unitec, Scheila Graziela Rigotti, mestre em Engenharia - Capacidade de Carga Turística e que atua há mais de 25 com o desenvolvimento do turismo no espaço rural, ecoturismo, gestão ambiental na hotelaria e educação turística, explica que o turismo em áreas naturais permite a diversificação das atividades no campo, gerando trabalho e renda alternativa para os integrantes da família.

“O turismo rural também incentiva o associativismo entre os produtores de uma localidade, proporcionando benefícios econômicos, sociais e ambientais para a região, principalmente neste momento de retomada e com tendências que favorecem a organização do turismo de pequenos grupos em espaços rurais fundamentados nos pilares da sustentabilidade, inovação e tecnologia.”

Segundo dados da Organização Mundial do Turismo, o turismo no espaço rural cresce em torno de 30% ao ano. “Vale destacar que o turismo rural desponta como um dos setores mais relevantes no contexto pós-pandemia, impulsionado pelas preferências dos consumidores por viagens de curta distância e atividades ao ar livre, com várias frentes como agroturismo, agricultura familiar, associados a outros segmentos como turismo de natureza e turismo aventura, dentre outros, e com oferta de experiências múltiplas, o que enriquece as visitas realizadas e a interação do patrimônio natural e cultural”, ressalta Scheila.

A profissional acrescenta que o Rio Grande do Sul sempre é destaque no Panorama Nacional do Turismo Rural, quando atua junto ao Ministério do Turismo, Ministério de Desenvolvimento Agrário, Ministério do Meio Ambiente e Sebrae Nacional com o desenvolvimento do Projeto Talentos do Brasil Rural, que tem o objetivo de inserir os produtos da agricultura familiar no turismo.

Em 2012, em uma preparação para a Copa 2014, cinco roteiros turísticos rurais, dentre os 24 roteiros turísticos selecionados eram do Estado, sendo Caminhos de Pedras, Vale dos Vinhedos, Caminhos Rurais de Porto Alegre, Agroturismo de Gramado e Caminhos da Colônia. “Em 2019, Experiências do Brasil Rural selecionou oito roteiros turísticos rurais no Brasil e dois roteiros no Rio Grande do Sul: Farroupilha Colonial, na Serra, e Roteiro Ferradura dos Vinhedos, no Pampa.

Estratégias para a gestão rural no desenvolvimento do setor turístico

As estratégias para a gestão rural no desenvolvimento do setor turístico precisam levar em consideração as principais tendências do momento. De acordo com Scheila, são pequenos grupos para o atendimento, viagens próximas (staycations), fortalecimento da conservação ambiental e espaços para pets.

“É preciso atentar para os pilares para a retomada do turismo pós-pandemia: tecnologia, inovação e sustentabilidade. Para quem quer tornar a propriedade rural ativa para o turismo, a inovação e a criatividade fazem parte do planejamento, considerando a conservação ambiental e o fortalecimento de toda a comunidade receptora, principalmente em relação a produção associada ao turismo”.

Além disso, é essencial, na visão de Scheila, unir as ideias e colocá-las em testes e ação, como diz o futurista em empreendedorismo Tiago Matos em sua bibliografia ‘Vai lá e faz’, observar as tendências e transcrevê-las para o papel, fazer uma análise das principais oportunidades, forças, fraquezas e ameaças que o ambiente interno e externo podem apresentar e, por fim, estabelecer um plano de ação para que se possa ter uma visão de onde quer chegar.

Segundo ela, muitas propriedades rurais e empreendimentos associados ao turismo fazem parte dos trabalhos, envolvendo roteiros de atuação como Farroupilha Colonial na Serra Gaúcha, empreendimentos de Nova Petrópolis, Picada Café, Roteiro Raízes de Torres, no Litoral, Campereada Serrana e Terapias na Natureza no município de São Francisco de Paula, Caminhos do Sincelo, Thermas de Machadinho, agroturismo em Sertão, com produtos agroalimentares e Balneários,  propriedades rurais de Caraá características de belezas naturais entre a Serra e o Vale Taquari, Alemães do Pé da Serra na Rota Sabores e Saberes de Dom Pedro de Alcântara, Vale dos Vinhedos em Bento Gonçalves e Caminhos de Montanhas em Pinto Bandeira.

“Atualmente, para que os proprietários rurais consigam enfrentar as novas mudanças impostas pelo cotidiano adverso, há a necessidade de que assumam o papel de empresários do setor rural. Sendo assim, é preciso que sejam estabelecidas estratégias que permitam aos mesmos superar as dificuldades, garantindo a sobrevivência e o bem-estar. Dentre as opções, a ativação do turismo no espaço rural como uma alternativa, podendo ser considerado como toda atividade turística no meio rural, independentemente de estar relacionada ou produção agropecuária”, finaliza a associada.     

Scheila trabalha para o Senar-RS no Programa Turismo Rural e também com consultorias específicas, nas áreas de Gestão, Turismo de Natureza e de Base Comunitária, turismo no espaço rural, gestão nos meios de hospedagens e gestão ambiental com a Biolife Nature.

Texto: Assessoria de comunicação Unitec

Jaqueline Peripolli / Jornalista MTE 16.999