RS abre oficialmente plantio da soja

​​​​​​​Estado poderá colher no atual ciclo 19,9 milhões de toneladas da oleaginosa

RS abre oficialmente plantio da soja

O  Rio Grande do Sul abriu oficialmente o plantio da safra 2021/22 de soja, nesta quarta-feira (13). A cerimônia ocorreu em Júlio de Castilhos, na área da Cotrijuc, e integra o Calendário Oficial de Eventos do Estado. Autoridades acompanharam o início dos trabalhos de semeadura desta que hoje é a principal commodity gaúcha e nacional. Projeções feitas pela Emater/RS-Ascar apontam que o Rio Grande do Sul poderá colher no atual ciclo 19,9 milhões de toneladas de soja.

“O agro gaúcho coloca o alimento na mesa de mais de 1 bilhão de pessoas em todo o mundo. No último período, tivemos uma supersafra com mais de 6 milhões de hectares cultivados e 20,6 milhões de toneladas colhidas. Esses números são grandiosos e são magníficos para todos nós, gaúchos. As expectativas para esse plantio, que se inicia oficialmente hoje, são muito positivas e o meu desejo é de que os números previstos se confirmem ou excedam”, disse o vice-governado Ranolfo Vieira Junior.

Segundo estimativa da Emater, os gaúchos irão semear soja em 6,3 milhões de hectares na atual safra de verão, aumento de 3,62% em relação ao ciclo passado. Se a área se confirmar, o Estado supera o recorde alcançado na safra anterior, de 6,11 milhões de hectares cultivados. No ciclo passado, a produção da oleaginosa rompeu a barreira das 20 milhões de toneladas, colocando o Rio Grande do Sul como segundo maior produtor do grão no país, atrás apenas de Mato Grosso.

Em termos de valor bruto da produção (VBP), a soja é o produto agropecuário mais importante do Rio Grande do Sul. Na última safra, o VBP gerado pela cultura somou R$ 55,9 bilhões, respondendo por 60% de todo o valor bruto da agropecuária gaúcha.

Embora a conjuntura de preços e mercado para o produto seja favorável, as regiões produtoras se preocupam com os custos de produção que apresentaram fortes incrementos neste início de temporada. Demonstrativo do custo de produção divulgado pela Federação das Cooperativas Agropecuárias (Fecoagro/RS) mostra que os custos operacionais giram em torno dos R$ 3.340 por hectare, enquanto o custo total deve superar os R$ 5.400 por hectare.

“O RS já é o segundo maior Estado produtor de soja do Brasil e o município de Júlio de Castilhos é o segundo maior em volume no Rio Grande do Sul. Nossa região contribui não só pelo que ela produz, mas pelo que o Brasil produz através dos agricultores que saem daqui para plantar em outros lugares. Que tenhamos mais uma vez uma safra com mais de 20 milhões de toneladas”, afirmou o presidente da Cotrijuc, Caio Vianna.