Fruticultura avança em São Paulo das Missões

O município missioneiro possui uma área de 26,20 hectares de fruticultura comercial, além daquelas para consumo familiar

Fruticultura avança em São Paulo das Missões
Fruticultura avança em São Paulo das Missões

Conforme o Censo Frutícola realizado em 2020 pela Emater/RS-Ascar, o município de São Paulo das Missões se destaca na produção de frutas em 54 propriedades rurais. O município missioneiro possui uma área de 26,20 hectares de fruticultura comercial, além daquelas para consumo familiar, destacando-se a citricultura, a pecanicultura (produção de noz-pecã), a produção de melão, de melancia, de manga, de banana, entre outros. A produção significativa faz com que sejam abastecidos os mercados local e regional, ao mesmo tempo em que são fornecidos alimentos para municípios como Santa Rosa, Santo Ângelo e São Luiz Gonzaga.

Segundo a equipe municipal da Emater/RS-Ascar, a produção de frutíferas é favorecida por fatores como altitude, tipos de solo, microclimas e estrutura fundiária. Também se destaca a percepção dos produtores em buscar cultivos alternativos, que em pequenas áreas proporcionam retorno econômico.

Diante disso, a Assistência Técnica e Extensão Rural e Social (Aters) prestada pela Emater/RS-Ascar orienta sobre toda a cadeia produtiva, em aspectos como a definição da área, recuperação do solo, escolha das sementes ou mudas, opções de empresas idôneas que fazem a venda dos insumos e produtos, assim como orienta sobre o processo de rastreabilidade vegetal e comercialização.

Produção de morangos

O extensionista do Escritório Municipal da Emater/RS-Ascar, Canísio Berwaldt, destaca que houve também um incremento significativo na produção de morangos, nos mais diversos sistemas de plantio. A maioria dos produtores adotou o sistema em canteiros com irrigação por gotejamento e mulching, ou maravalha e cobertura telada com sombrite ou cromatinet. 

O produtor Ademir Vorpagel, que adquiriu as mudas de morango, é beneficiário do Programa de Fomento às Atividades Produtivas Rurais, desenvolvido pelos extensionistas da Emater/RS-Ascar, resultado de Acordo de Cooperação Técnica com o Ministério da Cidadania e Secretaria Estadual de Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (Seapdr). Com os recursos recebidos através do programa, instalou uma estufa para a produção de mil pés de morango de dia neutro, em bancada com sistema semi-hidropônico, fazendo o plantio em slabs. Se bem conduzidas, os técnicos destacam que as mudas podem produzir durante três a quatro anos, no mínimo.

Em outro sistema, o agricultor Celso Friske, tradicional produtor de morangos, fez o plantio em canteiros, com fertirrigação, mulching e túnel de proteção com plástico. Friske importou seis mil mudas de morangos, variedade de dia curto, e ainda plantou 5.800 mudas nacionais. Como a cultura do morango não é zoneada, houve a necessidade de elaboração de laudo de viabilidade técnica, sendo que os projetos de crédito e custeio foram elaborados pela Emater/RS-Ascar. No projeto, alguns produtos químicos foram substituídos por insumos orgânicos, com a intenção de minimizar impactos sobre o meio ambiente e sobre a saúde.

Até a presente data foram implantadas em torno de 16.450 mudas, que devem chegar a uma produção estimada de 13.250 quilos. Vendidos a um preço médio de R$ 15,00 o quilo, devem movimentar R$ 198.750,00.

Somente neste ano, a Emater/RS-Ascar organizou a encomenda e distribuiu 2.450 mudas de morango a 24 produtores do município. Em função de questões logísticas influenciadas pela pandemia da Covid-19, as mudas, encomendadas em janeiro e fevereiro deste ano, foram entregues na segunda quinzena de junho. “São das variedades Camino Real, planta de dia curto, e San Andreas, planta de dia neutro, vigoroso e de alta qualidade, que produz todo o ano se bem conduzida, recomendada para plantio em sistema semi-hidropônico”, explica o extensionista Canísio.