Extensão Rural oferece serviços para geração de renda e qualidade de vida de famílias da região

São mais de 200 mil famílias assistidas em todo Estado, sendo em torno de 18 mil da região administrativa de Santa Rosa, contemplando 23.400 integrantes

Extensão Rural oferece serviços para geração de renda e qualidade de vida de famílias da região

Você sabe o que faz um extensionista rural? Seu trabalho tem efeitos tão importantes sobre o desenvolvimento rural brasileiro que há uma data especial que celebra o Dia Nacional da Extensão Rural: 6 de dezembro. No Rio Grande do Sul, a instituição que oferece o serviço oficial de Assistência Técnica e Extensão Rural e Social (Aters) de forma gratuita e continuada às famílias assistidas é a Emater/RS-Ascar, vinculada à Secretaria Estadual de Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (Seapdr). São mais de 200 mil famílias assistidas em todo Estado, sendo em torno de 18 mil da região administrativa de Santa Rosa, contemplando 23.400 integrantes. 

A segunda instituição de Extensão Rural do Brasil, criada em 2 de junho de 1955, foi a Associação Sulina de Crédito e Assistência Rural (Ascar), que, 22 anos depois, em março de 1977, passou a atuar com a Associação Riograndense de Empreendimentos de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater), igualmente uma sociedade civil de direito privado, sem fins lucrativos, se tornando a Emater/RS-Ascar, a Instituição oficial de Extensão Rural do RS, sendo referência no Brasil na prestação de serviços de Aters.

Sobre o serviço oficial de Extensão Rural para a agricultura familiar do RS, essa condição foi confirmada em 16 de julho de 2020, quando, a partir de parecer da Procuradoria Geral do Estado (PGE), e em conformidade com a Lei de Aters (14.245/13), foi alterado o regime jurídico de contratação da Emater/RS-Ascar pelo Governo do Estado, feito através da Secretaria Estadual de Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (Seapdr). Sem mudar a natureza jurídica da Instituição e dispensando licitação, esse novo contrato de 2020 tem duração máxima de 60 meses (portanto tem vigência até julho de 2025), podendo ser renovado. "Essa nova forma de contratação traz segurança jurídica e orçamentária para a Emater/RS-Ascar, patrimônio dos gaúchos, sendo considerada a principal política pública para o meio rural do Rio Grande do Sul", avalia o presidente Edmilson Pelizari, ao afirmar que essa decisão reconhece a importância da extensão.

Entre as mais de 200 mil famílias assistidas no Estado estão agricultores, pecuaristas familiares, quilombolas, indígenas, assentados e pescadores artesanais. "Nossos empregados e colaboradores atuam com dedicação e comprometimento, levando aos diversos públicos informação, conhecimento, capacitação, assistência técnica, saneamento, sucessão rural, cooperativismo, associativismo e incentivo à agroindustrialização, entre tantas outras ações. Os extensionistas são os grandes merecedores dessa celebração", afirma Pelizari, que elogia também as entidades parceiras da Extensão Rural e Social, no fortalecimento do rural gaúcho.

Na região de Santa Rosa, onde aproximadamente 87% do público rural é formado por agricultores familiares, são executadas mais de 100 ações diferentes previstas no contrato estabelecido com a Secretaria Estadual de Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (Seapdr), balizado também em parceria com as administrações municipais. Entre os focos de atuação junto aos agricultores da região estão as áreas de bovinocultura de leite, segurança e soberania alimentar, solos, acesso às políticas públicas e direitos sociais, agroindústria familiar, milho, crédito rural, Aters para mulheres rurais, agricultura de base ecológica, fomento à inclusão social e produtiva, educação e promoção à saúde, reservação de água e irrigação, soja, secagem e armazenagem e organização rural. 

O gerente regional da Emater/RS-Ascar José Vanderlei Waschburger destaca que as famílias que necessitam de assistência nestas e noutras áreas, podem procurar os serviços do escritório da Instituição no seu município.