Estado colhe dois por cento da área total cultivada com trigo

Veja também como estão as outras culturas no Estado

Estado colhe dois por cento da área total cultivada com trigo

As condições do tempo no período foram distintas no Estado na última semana. De acordo com o Informativo Conjuntural produzido pela Gerência de Planejamento da Emater/RS-Ascar, em parceria com a Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (Seapdr), e publicado nesta quinta-feira (08/10), em algumas regiões, predominaram tempo seco, alta taxa de insolação, vento e grande variação de temperatura durante o dia. Tais variáveis diminuíram a umidade do solo e do ar, mas sem produzirem impacto expressivo para a cultura. Em outras, as chuvas regulares de baixa intensidade auxiliaram na elevação do teor de umidade do solo e contribuíram para melhoria dos cultivos. 
Na região Sul, a queda acentuada de temperatura provocou a formação de geada de fraca intensidade nas baixadas, que não chegou a prejudicar as plantas. Na região de Santa Rosa, 7% da área de trigo já está colhida; Frederico Westphalen, 8%; e Ijuí, 3%. No Estado todo, a área colhida representa ainda somente 2% do total cultivado. E 8% está em floração, 32% em maturação e 58% em enchimento de grãos. 

CULTURAS DE VERÃO

O tempo teve comportamento distinto nas diferentes regiões do Estado. Naquelas onde o tempo seco predominou, houve diminuição do desenvolvimento das culturas devido à redução da umidade do solo. Nas regiões onde ocorreram, as chuvas regulares elevaram o teor de umidade do solo, que associado à boa radiação solar e temperaturas na média elevadas, permitiram iniciar a semeadura da soja e favoreceram o desenvolvimento vegetativo do arroz, feijão e milho. 

OLERÍCOLAS

Na regional de Ijuí, a baixa umidade do ar e a elevação da temperatura na semana contribuíram para o bom desenvolvimento das olerícolas, mas foi necessário o uso intenso da irrigação.

CANA-DE-AÇÚCAR

Na regional de Porto Alegre, as renovações dos plantios da cana-de-açúcar já estão concluídas. As plantas estão em desenvolvimento vegetativo; com a chuva da semana, apresentam bom crescimento dos perfilhos e touceiras bem formadas. 

BOVINOCULTURA DE LEITE

Apesar do bom desenvolvimento das pastagens nas últimas semanas, o excesso de umidade do solo tem dificultado o manejo das áreas de pastoreio, principalmente nas áreas mais baixas. Pelo mesmo motivo, foi interrompido o preparo destas áreas para o plantio do milho silagem e das pastagens de verão. Grande parte dos produtores ainda aproveita as pastagens de inverno, em final de ciclo, sobretudo o azevém. Apesar das chuvas, os animais têm se recuperado dos períodos mais críticos, com melhoras aparentes na produção do leite, principalmente devido ao aumento das vacas em lactação. 
É importante observar que os produtores que produzem leite com o uso de pastagens dependem menos da suplementação alimentar com rações, obtendo maiores lucros com a atividade. O bom rendimento das pastagens permite oferecer aos rebanhos proteína de alta qualidade a custos mais baixos.

APICULTURA
As condições do tempo favoráveis aumentaram a atividade das abelhas, sendo possível observar a formação e a liberação de novos enxames, favorecendo a captura de novas colmeias. Alguns produtores relatam que as quedas de temperatura, juntamente com períodos de chuva, têm ocasionado a aceleração do final do ciclo de floradas que iniciaram mais cedo, dificultando a coleta do néctar e do pólen destas espécies. 
Em geral, as práticas realizadas pelos apicultores neste período são roçadas nos acessos e apiários, limpeza de melgueiras e caixilhos, coleta e raspagem de própolis, manutenção dos cavaletes ou suportes para instalação de caixas nos apiários, reforma de caixas e melgueiras, substituição de caixilhos de ninho (escuros) por caixilhos com lâmina de cera alveolada, substituição de caixas danificadas, revisão de enxames e instalação de melgueiras. Nos locais onde há disponibilidade de floradas, estão sendo realizadas coletas de mel, com destaque para floradas de citros, mirtáceas nativas, vassouras, eucaliptos e outras. 

PISCICULTURA
As chuvas que ocorreram nos últimos dias vêm contribuindo para o enchimento dos viveiros. Entretanto, a falta de luminosidade provocada pela sequência de chuvas e dias nublados pode provocar redução do oxigênio na água e consequente mortalidade súbita nos viveiros povoados. Nestes casos, os produtores vêm sendo orientados ao uso da aeração artificial, quando possível, como manejo preventivo. O aquecimento gradual da água dos tanques de recria tem proporcionado melhor alimentação dos peixes. A fase predominante da atividade é de adequação da qualidade da água para o período de recebimento dos alevinos e juvenis, que inicia em breve.