Dia do Apicultor: Atividade envolve mais de 2 mil pessoas na região de Santa Rosa e exige cuidados especiais no manejo

No Rio Grande do Sul existem aproximadamente 38 mil apicultores, destes 2.032 apicultores estão na região de Santa Rosa, que juntos possuem 23.311 caixas no total segundo levantamento da Emater/RS-Ascar

Dia do Apicultor: Atividade envolve mais de 2 mil pessoas na região de Santa Rosa e exige cuidados especiais no manejo
Dia do Apicultor: Atividade envolve mais de 2 mil pessoas na região de Santa Rosa e exige cuidados especiais no manejo

Às vésperas do Dia do Apicultor, celebrado em 22 de maio, reitera-se a importância desta profissão e dos resultados do trabalho tão importantes para a diversificação da renda do produtor e para a promoção da saúde e segurança e soberania alimentar da população em geral. Além dos benefícios sociais e econômicos, a apicultura contribui para a manutenção e preservação de ecossistemas existentes, especialmente por meio da polinização. O manejo apícola exige, contudo, constante aperfeiçoamento e profissionalismo para que a atividade seja desenvolvida com êxito.

No Rio Grande do Sul existem aproximadamente 38 mil apicultores, destes 2.032 apicultores estão na região de Santa Rosa, que juntos possuem 23.311 caixas no total segundo levantamento da Emater/RS-Ascar, vinculada à Secretaria Estadual da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (Seapdr). De acordo com o extensionista do Escritório Regional da Emater/RS-Ascar, Jorge João Lunardi, a produtividade média é de 14 quilos de mel por caixa ao ano e estima-se que cada apicultor colete em média 170 quilos de mel por ano. “O potencial é ainda maior, sendo que para isso é necessária a organização da cadeia e melhoria no manejo que resulte em maior produtividade”, destaca.

O mel também estimula o associativismo. Existem na região de Santa Rosa, 11 associações, com 121 sócios no total, e 10 Casas do Mel. A instalação de uma indústria de beneficiamento de mel na região deve contribuir para a ampliação da produção e a organização da cadeia.

Oferta de Alimentação às Abelhas

Entre as recomendações centrais para o desenvolvimento da atividade da apicultura é a observância da flora no local onde serão instalados os apiários, uma vez que as abelhas coletam basicamente pólen e néctar das flores, com fins de alimentação, e resinas para a produção do própolis, importante para a proteção da colônia.

Ao compreender a quantidade e a qualidade dos recursos florais existentes é possível identificar períodos de maior oferta e escassez de alimentos. As abelhas são beneficiadas por pastos e áreas de preservação com uma diversidade de plantas silvestres, contexto que contribui com a oferta de néctar e pólen durante todo o ano.

A região de Santa Rosa possui boas condições de pasto apícola, com floradas diversificadas. Entretanto, com o avanço de diferentes atividades, é preciso avaliar bem o local para iniciar a criação apícola.

Em épocas do ano como o inverno, as floradas e a disponibilidade de alimentação natural às abelhas é reduzida, diante disso, é importante que se ofereça um complemento alimentar para colher mais mel. Nos casos em que existir pólen, a orientação é que se ofereça alimentação do tipo energética, a exemplo do xarope de açúcar invertido. Quando não houver disponibilidade de pólen, é importante oferecer alimentação do tipo proteica, como a pasta e a torta, cujas receitas podem ser obtidas junto aos escritórios municipais da Emater/RS-Ascar. A alimentação artificial evita a morte das abelhas, a interrupção da postura da rainha e protege a colmeia, fatores importantes para a produção de mel a partir das primeiras floradas. As abelhas também devem ser alimentadas quando os enxames são capturados, são feitos núcleos ou divisões.

Produtos oriundos da apicultura

A apicultura é interessante também para o incremento da renda dos produtores e para atender a diversas demandas de indústrias de alimentos, de cosméticos e de medicamentos.

O principal produto, sem dúvidas, é o mel, um alimento natural de grande valor que contém em sua composição açúcares, água, sais minerais, pequenas quantidades de vitaminas e outros nutrientes.

O própolis, também muito conhecido, é usado pelas indústrias de medicamentos e de produtos de beleza. A cera é outra matéria-prima aproveitada por indústrias de cosméticos, medicamentos, de velas e em tecelagens.

Outro produto é o pólen, usado como alimento, sendo comercializado seco, misturado com mel, em cápsulas ou tabletes.

Com alto valor agregado, a geleia real é produzida pelas abelhas operárias mais novas para alimentar as crias e a rainha, sendo rica em proteínas e composta também por água, açúcares, gordura e vitaminas. A apitoxina também é um produto apícola, destinado ao tratamento de doenças, podendo ser comercializada com a devida regulamentação em farmácias e drogarias.

Cuidados com as colmeias

Uma das principais preocupações é o cuidado com as colmeias e sua sanidade. Contudo, as colmeias são muito suscetíveis a situações que envolvem o uso de agrotóxicos.

Em caso de morte de abelhas por doenças ou suspeita de produtos químicos, o apicultor deve registrar a ocorrência na Inspetoria de Defesa Agropecuária do município, que poderá coletar materiais para a identificação da causa da mortalidade e enviar gratuitamente para análise em laboratórios.

Os apiários precisam ter conhecimento dos vizinhos e estar cadastrados na Inspetoria de Defesa Agropecuária e anualmente devem fazer o cadastramento animal. Em caso de necessidade de transporte de abelhas, exige-se a emissão da Guia de Transporte Animal (GTA).