Com minilaboratório móvel, técnicos da Unitec realizam aferição da atividade leiteira na região

​​​​​​​Associados atuam no trabalho que faz parte do APL Leite Fronteira Noroeste

Com minilaboratório móvel, técnicos da Unitec realizam aferição da atividade leiteira na região

Mais de 590 propriedades atendidas com o serviço dos minilaboratórios móveis de aferição da atividade leiteira do Arranjo Produtivo Local (APL Leite Fronteira Noroeste). Este é o resultado de quase três anos de trabalho com os veículos equipados para avaliar o funcionamento e trazer conhecimento técnico para resolver problemas no sistema de ordenha.

Sob a coordenação do engenheiro agrônomo Onairo Sanches, o supervisor de campo de Fábio Dalla Vechia e o técnico de campo Dunga Denilson de Moura, todos associados da Unitec, o serviço de aferição da atividade leiteira é realizado pelo APL Leite Fronteira Noroeste, que tem como entidade gestora o Funcap e é resultado de uma parceria da Associação dos Municípios da Fronteira Noroeste (Amufron), Emater/RS-Ascar, Corede, Associação dos Sindicatos dos Trabalhadores Rurais, Embrapa, cooperativas, instituições de ensino e indústrias lácteas, abrangendo 20 municípios.

O técnico em agropecuária Dunga, que está na função há um ano, explica que o trabalho dos minilaboratórios consiste na aferição do sistema de ordenha, desde a bomba de vácuo (que mede a capacidade de produção), a fim de fazer um check-up completo. “Aferimos os reguladores de vácuo, tubulação, dimensionamento e número de conjuntos, e verificamos se os relógios estão bem alocados, bem como os pulsadores e batimentos, e orientamos sobre a limpeza do sistema juntamente com o produtor.”

Conforme Dalla Vechia, é feita uma avaliação de todo o sistema de ordenha, verificando se está instalado corretamente, além de realizar a aferição dos resfriadores, da temperatura do leite e do resfriador, fazendo os ajustes necessários. “O principal problema que constatamos nas visitas é a bomba de vácuo insuficiente, com produção que não atende a demanda que o sistema deveria fornecer. E isso é possível devido aos equipamentos de ponta que o minilaboratório dispõe, que permitem este diagnóstico preciso”, destaca.

O trabalho com os minilaboratórios, inclusive, foi contratado pelo Pisa (Projeto Produção Integrada em Sistemas Agropecuários), iniciativa do programa Juntos Para Competir, que integra Farsul, Senar-RS e Sebrae RS. Todas as propriedades que participam do Pisa estão recebendo uma visita do técnico, sendo que o atendimento não tem custo para o produtor, já que é oportunizado e custeado pelo programa.

No fim de julho, por exemplo, o técnico de campo Dunga esteve no município de Vista Gaúcha atendendo produtores que integram o programa. Lá, ele visitou 23 propriedades que produzem leite – em sua maioria de porte médio, com produção média de 600 litros diários de leite.

Desde que iniciou o trabalho com o minilaboratório, Dunga já atuou em 170 propriedades, sendo 75 que integram o Pisa, também nos municípios de Alegria e Independência.

Plano de ação do APL atenderá uma propriedade por município da Amufron

Segundo Onairo, coordenador do APL Leite Fronteira Noroeste, a qualidade do leite, além das questões sanitárias, de higiene e de resfriamento do produto, está ligada diretamente ao perfeito funcionamento dos equipamentos. Por isso, as aferições, regulagem e manutenção preventiva deles devem ser feitas semestralmente.

“O trabalho realizado pelos técnicos com os minilaboratórios é de extrema importância, principalmente porque a qualidade do leite está com alta exigência em termos das normativas do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) e do próprio mercado consumidor, bem como por estarmos em uma região em que a atividade leiteira tem grande importância socioeconômica.”

O coordenador destaca que, ao conviver mais de perto com o poder público dos municípios e ver o apoio dedicado à pecuária leiteira, compreende a importância da atividade para as comunidades e para o desenvolvimento regional. “Desde o início do APL, a Amufron tem sido parceira decisiva para implementação de políticas públicas que beneficiem o elo mais frágil da cadeia produtiva do leite, que é o produtor. Assim, os municípios integrantes da associação têm contribuído diretamente com a gestão do APL, na busca de qualificar a atividade leiteira, com trabalhos direcionados à qualidade do leite.”

Neste sentido, a partir de discussões com as secretarias de agricultura dos municípios, Emater/RS-Ascar e empresas captadoras de leite, Onairo conta que em julho foi estabelecido um plano de ação do APL, visando atender uma propriedade por município, por dois anos, com aferição dos equipamentos de ordenha e resfriamento por meio dos minilaboratórios, implementação de protocolo de higiene e resfriamento e coleta de leite para análise de agentes causais de mastite. O trabalho iniciou no dia 2 de agosto e, na primeira etapa, segue até o dia 13 de agosto, com meio dia de trabalho em cada município da Amufron.

Os produtores interessados em contratar o serviço do minilaboratório devem agendar a visita diretamente na Funcap, pelo telefone (55) 3535-2170.

Texto: Assessoria de comunicação Unitec

Jaqueline Peripolli / Jornalista MTE 16.999