As chuvas colaboraram para a evolução do estado corporal do gado de corte

As chuvas colaboraram para a evolução do estado corporal do gado de corte

As chuvas colaboraram para a evolução do estado corporal do gado de corte, pois houve aumento da oferta forrageira a campo e melhoria das fontes de água. Porém, de acordo com o Informativo Conjuntural, divulgado nesta quinta-feira (02/03), em diversos locais a chuva ainda não foi suficiente para a recuperação dos campos e reservatórios. Assim, houve novos relatos de morte de bovinos por falta de comida e sede.

A temperatura amena favoreceu o pastejo dos animais. O período reprodutivo está praticamente finalizado. No momento, o maior cuidado é o manejo para o controle do carrapato bovino, que tende a ter aumento de incidência neste período.

As chuvas, além de melhorar as condições de umidade do solo e beneficiar as plantas, mantiveram a umidade relativa do ar mais elevada, amenizando o efeito das altas temperaturas e garantindo o bem-estar dos rebanhos também na bovinocultura de leite. Isso permitiu que os animais pudessem acessar as áreas de pastejo sem restrições de horários.

As precipitações que ocorreram nos últimos dias propiciaram o crescimento das forrageiras, tanto anuais quanto perenes. As pastagens nativas estão em plena recuperação após o longo período de estiagem. Porém, apesar das chuvas, as espécies de verão não terão mais tempo hábil para expressar seu potencial de produção em função da proximidade do outono, o que pode agravar ainda mais o vazio forrageiro outonal.

APICULTURA

Novamente, as precipitações beneficiaram o desenvolvimento de floradas. Apesar das chuvas dificultarem a movimentação externa das abelhas, houve registro de bom aporte de néctar e pólen para as colmeias. Entre as atividades realizadas pelos apicultores, estão as revisões nas colmeias, a colheita, as trocas de rainha e/ou a colocação de iscas para captura de enxames. Muitos produtores estão estocando o mel colhido, aguardando o aumento do número de compradores e a melhora nos preços.

CULTURAS DE VERÃO

A soja apresenta predomínio de lavouras em fases reprodutivas, com 30% em floração e 54% em enchimento de grãos, outros 10% já em maturação e 6% ainda em germinação e desenvolvimento vegetativo. A ocorrência de precipitações irregulares, mais concentradas ao norte do Estado, atenuou a falta de umidade em parte dos cultivos, onde os volumes acumulados ultrapassaram 30mm. A área projetada para a safra 2022/2023 é de 6.568.607 hectares. A produtividade estimada inicialmente é de 3.131 kg/ha.

A principal atividade, no período, foi a colheita do milho, que alcançou 57% da área cultivada. As lavouras em maturação representam 18%, 10% estão em enchimento de grãos, 8% em floração e 7% em germinação e desenvolvimento vegetativo. As chuvas ocorridas entre 23 e 24/02, mesmo irregulares e em volumes muito variados, beneficiaram a menor parte dos cultivos.  A área estimada de cultivo para a safra 2022/2023 é de 831.786 hectares.

A colheita do arroz está em fase inicial. Estima-se que 6% das lavouras foram colhidas e que 37% estão em maturação, ensejando o aumento da operação nos próximos dias. No entanto, 57% ainda estão em enchimento de grãos (38%), em floração (14%) e em desenvolvimento vegetativo (5%), que ainda demandam atenção de fornecimento de água para irrigação. A ocorrência de chuvas, entre 23 e 26/02, contribuiu para complementar a irrigação nas regiões de maior precipitação e restabeleceu parte da água de alguns reservatórios e cursos hídricos. A área estimada de arroz pelo IRGA é de 862.498 hectares. A produtividade projetada  é de 8.226 kg/ha.

PREVISÃO DO TEMPO

Os próximos sete dias deverão ter volumes expressivos de precipitação em diversas regiões do RS. Entre esta quinta-feira (02/03) e o sábado (04/03), a atuação de uma área de baixa pressão e de uma frente fria deverá provocar grande variação de nuvens e chuva em todo o Estado, com possibilidade de temporais isolados. No domingo (05/03), ainda ocorrerão pancadas de chuva nas faixas Norte e Nordeste. No restante do Estado, o ingresso de uma massa de ar seco manterá o tempo firme e as temperaturas amenas. Na segunda (06/03) e na terça-feira (07/03), o tempo seco vai seguir predominando na maioria das regiões, mas ainda persistirá a condição de pancadas isoladas de chuva nas faixas leste e Nordeste. Na quarta-feira (08/03), o tempo firme e quente vai predominar em todo o Estado.

Os valores de chuva previstos deverão oscilar entre 20 e 45mm na maior parte dos municípios do RS. Na Fronteira Oeste, Missões, Vale do Uruguai, Planalto, Campos de Cima da Serra, Serra do Nordeste e no Litoral Norte são esperados volumes entre 50 e 65mm na maioria das localidades.